Foi milagre, diz Luiz Cláudio. Ele é profissional da Saúde, depois de quase um mês e meio, acorda do coma e, ainda se recuperando, conta sua experiência com a COVID.

Luiz Cláudio Costa é nascido em Santa Rosa de Viterbo, interior de São Paulo, é formado em Enfermagem, trabalhou muito na cidade onde nasceu, atualmente mora em Ribeirão Preto, tem 59 anos e trabalha no Hospital Estadual de Serrana. Ele é conhecido como Luiz Enfermeiro.

Foto de 12 de julho de 2020 – Foi milagre, diz Luiz Cláudio, profissional da Saúde, depois de quase um mês e meio, acorda do coma e, ainda se recuperando conta sua experiência com a COVID

O Jornal Cidade em Foco Região vem acompanhando o caso através de uma sobrinha de Luiz, que foi infectado pelo novo Coronavírus no começo de junho e desenvolveu a forma grave da COVID-19. Depois de quase um mês e meio da confirmação do diagnóstico, Luiz conta, em entrevista ao Jornal Cidade em Foco Região, um pouco de como tudo isso aconteceu, tão rapidamente, e como está sendo a recuperação.

CF: Tem ideia de como foi infectado pelo novo Coronavírus?

Luiz Enfermeiro: Acredito que tenha sido no trabalho. O hospital é risco para todos, especialmente aos profissionais de linha de frente.

CF: Quais foram os primeiros sintomas? Quanto tempo ficou internado? Tem comorbidades que agravaram o quadro?

Luiz Enfermeiro: Os primeiros sintomas foram coriza e dor no corpo. Estava no plantão no domingo à noite, já fiz o teste e fui embora. Na segunda-feira já tive a confirmação. Foram 36 dias, sendo 30 em coma. Sou diabético. Tive pneumonia nesse tempo de COVID, a doença também paralisou os meus rins, fiz hemodiálise, tive parada cardíaca durante a internação.

Gratidão a Deus, aos profissionais da Saúde, aos amigos, aos familiares e a todos que oraram pela minha recuperação.

CF: Quando falaram que você seria intubado, o que passou pela sua cabeça? Afinal, a gente vê muita tristeza nos noticiários, pessoas que intubam e não voltam mais.

Luiz Enfermeiro: Não falaram, não deu nem tempo, entrei em coma e. após ser intubado, tiveram que fazer de tudo pra tentar me salvar, não teve aviso.

CF: O que mais a gente vê é que pessoas com comorbidades estão praticamente condenadas à morte. O que você sentiu quando acordou?

Luiz Enfermeiro: Confuso, não sabia onde estava, fiquei muito agitado, então fizeram uma vídeo chamada pra Nathally, minha sobrinha e quando a vi chorando, falando que era um guerreiro e todos estavam orando por mim e que estavam resolvendo tudo, aí sim, fiquei mais desnorteado, pois não entrava na minha cabeça que tinha passado 30 dias em coma. Precisei de alguns dias até colocar a cabeça no lugar e entender o que tinha acontecido.

CF: Você está consciente da recuperação, que precisa ter paciência, como estão sendo seus dias? Quais sequelas ainda tem? Como está sendo o dia-a-dia?

Luiz Enfermeiro: Voltei a falar, ainda com dificuldade, ando só de andador. Ontem o fonoaudiólogo veio aqui em casa e a partir amanhã começo muita fisioterapia.

CF: Tem previsão de quando estará 100%?

Luiz Enfermeiro: Uns 4 meses.

Amigos e familiares em videos chamadas quando Luiz acordou do coma

CF: Tem alguém te ajudando em casa? Você mora sozinho?

Luiz Enfermeiro: Sim, minha irmã Rosa, minha sobrinha Natally e minha amiga Jane, aqui do prédio, estão mais próximos. Muita gente de longe está em contato, mesmo que virtualmente. Moro com Bruno, um amigo que está me ajudando muito também.

Luiz e familiares antes da Covid

CF: De quem é a voz ao fundo do vídeo agradecendo aos profissionais de Saúde quando você saiu do hospital? Emocionante. As pessoas pensam que é você, mas imaginei que não fosse, pois pesquisamos que depois de muitos dias de tubo a voz fica fraca ou até some porque pode ferir as cordas vocais.

Luiz Enfermeiro: Sim, voltei a falar hoje, ainda com dificuldade. A voz é do meu sobrinho neto, o Danilo.

Saída do Hospital

CF: E você tem algo a dizer aos profissionais de saúde?

Luiz Enfermeiro: Que se cuidem. Se protejam. Por favor, pois não desejo a ninguém o que passei. Aos que cuidaram de mim, durante toda a internação e ainda estão cuidando nessa fase de recuperação, que Deus os proteja e muito obrigado pelo carinho e atenção dedicados a minha vida.

CF: Algo a dizer para as pessoas que não acreditam na violência com que o vírus pode atacar?

Luiz Enfermeiro: Por favor, gente, não é brincadeira. Se cuidem, usem máscaras e só saiam de casa em último caso. Eu fui salvo, tenho um plano de Saúde muito bom, graças a Deus, mas a gente sabe que apesar de todo esforço do SUS, muitas pessoas podem não ter a mesma chance, não tem UTI para todo mundo. E, mesmo tendo condições, a pessoa pode ter o dinheiro do mundo, o melhor plano de Saúde, se a doença atacar mesmo, só um milagre, que foi o que aconteceu comigo. Sei de muita gente que não resistiu a doença, inclusive mais jovens e sem comorbidades. É muito grave.

CF: O que você leva para o resto da vida deste período que está passando? Alguma reflexão, o que pensar de tudo isso?

Luiz Enfermeiro: Vou levar comigo que milagre existe. Tudo é no tempo de Deus. Gratidão pela vida. Quero viver cada dia como se fosse o último. Pois, “do nada” passei por tudo isso. Amar e respeitar a todos. Agradecer, sempre.

CF: Mais alguma consideração sobre tudo? Posso não ter pensado em todas as questões.

Luiz Enfermeiro: Foi tudo certo e bem perguntado. Você é ótima, só dei a entrevista pois sempre te achei ótima e responsável.

CF: Nesse momento fiquei sem palavras, me emocionei, pois diante tantos alertas que temos feito pelo Jornal, muitas pessoas ainda agridem os profissionais da Imprensa e os profissionais da Saúde, mesmo que a intenção seja clara: Dos profissionais da imprensa em esclarecer e alertar e dos profissionais de Saúde, especialmente os da linha de frente, cuidar, colocando, inclusive, suas próprias vidas em risco.
Gratidão pela confiança, querido, Luiz! Vai Passar.

Entrevista concedida a Jaqueline de Bem/Jornal Cidade em Foco Região.

Deixe seu comentário

Jaque de Bem Autor

Jaqueline de Bem é jornalista por paixão, idealista de coração e amante da verdade. Ajudar o mundo a se comunicar de forma positiva e verdadeira é a sua missão nessa terra.