Sentimento em Terapia – Os Prejuízos da Sociedade Machista para a Saúde Mental

Os tempos mudaram, o mundo está evoluindo, alguns conceitos estão se modificando, porém o que não muda é o pensamento machista em nossa sociedade. É muito comum vermos nos dias de hoje diversos discursos machistas que ferem não apenas as mulheres, mas também a sociedade como um todo. A cultura machista vem muito antes do que pensamos, onde o homem era considerado o provedor de todas as coisas, e a mulher caberia à função de cuidar da casa e dos filhos.

Com o passar do tempo isso foi se modificando, porém muitas pessoas não conseguem compreender tal processo de evolução, e ainda mantêm esse pensamento enraizado. Falando em pensamento enraizado, podemos elencar vários como, por exemplo, quando dizem que lugar de mulher é na cozinha, que mulher não pode palpitar em determinados assuntos, que apenas ela é a responsável pela educação dos filhos.

Ainda pensando nestes discursos existe um muito conhecido que ocorre durante as entrevistas de emprego, onde o entrevistador pergunta se a mulher pensa em ter filhos, ou seja, caso a resposta seja positiva possivelmente não será muito benéfico para a empresa, devido a afastamentos e faltas que a mesma terá, onde sua capacidade não será considerada naquele momento.

Mas o que esses discursos machistas podem prejudicar a saúde mental?

Primeiramente tais discursos podem inferiorizar a mulher, onde a mesma não se sentirá capaz de alcançar os seus objetivos. Segundo podemos dizer que tais discursos podem levar a relacionamentos abusivos, onde a mulher se sentirá presa no mesmo, se privando de diversos momentos de sua existência. Também podemos citar características como baixa autoestima, frustrações constantes, depressão, ansiedade, e até mesmo ideação suicida.

Porém além de tudo isso que foi elencado, podemos também refletir sobre a falta de compreensão que temos com a mulher no cenário atual. É praticamente impossível se pensar em alguma profissão e não termos uma mulher como referência. Mulheres que já foram nossas professoras, mulheres que são nossas mães, mulheres que lutam dia a dia para garantirem seu espaço. No cenário da psicologia me arrisco a citar alguns nomes que tive a oportunidade de estudar durante a graduação : Anna Freud, Melanie Klein, Judith Beck, Elisabeth Roudinesco, Ana Maria Lopez Calvo de Feijoo, Maria Helena Souza Patto, entre outras.

Portanto é preciso refletir sobre a importância da mulher não apenas nos dias atuais, mas também no passado, e desconstruirmos essa visão de incapacidade e inferioridade acerca da mesma, e começarmos a construir uma sociedade mais igualitária e sem discriminação de gênero.

José Eduardo dos Santos- Psicólogo Clínico- CRP 06/151600 – Pós-Graduando em Dependência Química e Qualidade de Vida, Pós-Graduando em Orientação Profissional, Pós-Graduando em Psicologia Infantil – Rua 7 de Setembro, nº481- Centro – Cel: (16) 99263-7789 – E-mail: jose_eduardosrv@hotmail.com

 

Deixe seu comentário

Jaque de Bem Autor

Jaqueline de Bem é jornalista por paixão, idealista de coração e amante da verdade. Ajudar o mundo a se comunicar de forma positiva e verdadeira é a sua missão nessa terra.