Coluna do Bem – O TEMPO QUE NÓS CONTAMOS, NÓS NO TEMPO CONTADO!

Muito já se falou e se escreveu sobre a vida manifesta de todos os seres vivos, especialmente os humanos! De como foi a gênese, o princípio, como tudo começou. Não há consenso sobre esse particular entre humanos inteligentes. Há a afirmação criacionista, bíblica, de que houve um momento no tempo onde Deus moldou a figura humana em barro, soprou dando-lhe os movimentos vitais – aí é produzido o primeiro homem – Adão. A seguir extrai uma costela da criatura, sopra e cria a primeira mulher. A forma física estava definida – homem expressamente macho e mulher expressamente fêmea – fez isso com o propósito de povoar a Terra, recém-criada por Ele em seis dias, a partir da procriação desses dois primeiros gerando filhos, que gerariam outros e assim multiplicados indefinidamente. A narrativa bíblica, de como as coisas andaram daí pra frente é bem conhecida. A população na Terra hoje gira em torno de sete bilhões e cacetada de viventes, caminhando juntos no tempo contado. Nós contados no tempo vamos envelhecendo desde que nascemos. Da criação pra cá, muitas criaturas pensantes começaram a se perguntar se realmente a coisa aconteceu conforme a versão bíblica, entre outras versões criacionistas de fontes diversas.

A ciência – termo genérico atribuído a um campo de estudos específicos – chegou a conclusão que a Terra não foi criada em seis dias. Ela é produto de uma explosão cósmica, acontecida há bilhões de anos contados, assim como todo o universo conhecido. Ainda no âmbito da ciência, no século XVIII, Charles Darwin publicou estudos e conclusões que chegou sobre a teoria da evolução – que somos um conjunto de células aperfeiçoadas evoluídas de sistemas de vida embrionários. Chegando, chegando no tempo contado, estamos aqui. Adão e Eva bíblicos foram criados por desejo Divino, morreram no tempo contado. Legaram o DNA a seus descendentes multiplicados sequencialmente através dos tempos, na condição de nascidos e morridos. Darwin, seja por sua teoria evolucionista, seja pela ideia criacionista, fez parte dos nascidos e morridos. Foi contado no tempo e viveu seu tempo contado.

Particularmente comecei a ser contado quando vim ao mundo, sendo registrado. Dali pra cá meus pais vieram contando o tempo enquanto crescia, hoje sou eu que conto o tempo, não sabendo quanto tempo ainda tenho pra contar. Isso por uma questão natural, meu tempo contado está inexoravelmente estampado no meu organismo físico e visível se faz o envelhecimento do corpo, prenunciando o colapso orgânico em algum tempo mais curto que o contado daqui pro inicio.

Embora não chegamos a um consenso sobre quem ou o que criou o universo, em tempos relativos aqui estamos nós também ainda sem consenso sobre como viver em paz como humanidade. Socialmente continuamos formando comunidades estanques uma das outras, erguendo muros para que não se misturem humanos de lá e de cá, continuamos discriminando  gente que não nos agrada particularmente, – por ideias, por credo, por raça. Por todo o tempo que contamos não chagamos a evoluir espiritualmente quase nada em nosso atual tempo contado. Podemos concluir que discussões sobre se fomos criados, ou evoluímos da ameba, não nos levou ao paraíso – que seria vivermos humanamente como seres humanos. Quanto tempo contado ainda teremos para chegarmos lá? Só Deus sabe!

João de Bem

Deixe seu comentário

João de Bem Autor