Brasil, um navio a deriva!

No barco das incertezas está à deriva o povo brasileiro. Horizonte próximo, indicado por gaivotas a procura de alimento, sinaliza a  costa em aproximação. Gente torcendo para que vá mais a direita, maioria ainda sem saber o que quer discute embolada com a turma torcedora do centro. Bem à esquerda aparecem nuvens carregadas prenunciando tempestades tropicais.  A enorme embarcação Brasil está virtualmente com motores avariados e sem leme. A esperança é de que no 07 de outubro o vento sopre na direção de uma nova tripulação que conserte os estragos no barco e dê nova direção no sentido do crescimento econômico com equilíbrio social, para dar tranquilidade aos passageiros, no momento em viagem errante. A quadrilha oficial que tomou o timão a partir de 2016 está se aproveitando para agraciar apaniguados com cargos importantes e benefícios pessoais a seus comandados. Enquanto isso o barco Brasil fica a espera do necessário conserto e da nova tripulação a ser diplomada pelas urnas. A disputa entre os pretendentes ao cargo de Capitão é ferrenha.

Direita a estibordo com o peso das malas de dinheiro, armada de argumentos que beira ao fascismo, corre o risco de adernar a embarcação. A esquerda a bombordo, não fica atrás – mantém um contingente de fanáticos enlouquecidos querendo aportar na terra do bananeira que já deu cacho. No meio, da proa a popa, aquela turma que não quer se comprometer com uns e outros está sempre indecisa, na condição do “nem barro nem tijolo”. Ainda por aí transitam os alienados, aqueles que não sabem absolutamente o que é o navio carregado de República com liga de Democracia.

O imenso barco está nessa condição por conta da tripulação mercenária, predadora inconsequente que relegou a educação dos passageiros à níveis de ignorância plena. A massa embarcada é só peso físico e pode ser cooptada por qualquer das torcidas ensandecidas a bombordo e estibordo. Se decidir ir para bombordo aderna o barco no mar permeado de radicalismo vermelho. Se ao contrário correrem para estibordo o radicalismo puxado ao fascismo toma conta da Nação. Se forem à proa o barco inclina demais com o peso dos ignóbeis e afunda imbicando para o abismo. Se ao contrário se voltarem para a popa o afundamento é igual – retrocesso não é a melhor opção. A disputa fraticida entre a turma de bombordo e estibordo se afasta do bem comum e envereda por um caminho eivado de ódio. E o ódio é o embrião de todas as guerras, quando disseminado entre contendores – é o estopim para o enfrentamento de fato. As razões de uns e outros não devem se sobrepor a diplomacia. A tolerância é condição do ser humano vivendo sobre o mesmo convés. Está em aberto a qual tripulação se dará o comando do Brasil a partir de 07 de outubro de 2018. Vamos orar para termos a melhor equipe e o melhor Capitão no timão!

Deixe seu comentário

Jaque de Bem Autor

Jaqueline de Bem é jornalista por paixão, idealista de coração e amante da verdade. Ajudar o mundo a se comunicar de forma positiva e verdadeira é a sua missão nessa terra.